Depressão

Qual é a diferença entre tristeza e depressão?

Há dias que nos sentimos deprimidos ou tristes por algum motivo. Esta é uma resposta natural para uma situação negativa. Na verdade, mal-estar depois de perder um cliente, ter um relacionamento ou ter sofrido um colapso financeiro, é totalmente compreensível.

Estima-se que aproximadamente 3% da população sofre de depressão, o que indica que existem 350 milhões de pessoas sofrendo com este mal mental.

Tristeza não é um estado de doença, é uma resposta emocional normal que resulta de uma perda e nos diz que precisamos de ajuda. No entanto, quando uma tristeza não passa com o tempo, mas continua ou mesmo se intensifica, começamos a vislumbrar os sintomas de depressão.

O que é a depressão?

A depressão é um transtorno de humor que tem um impacto direto sobre o bem-estar da pessoa e seu ambiente. Impacta muito mais os adultos, porém desse mal também sofrem muitas crianças e adolescentes.

A pessoa deprimida se isola, uma vez que não tem prazer nas relações sociais, e torna-se incapaz de cumprir seu dia a dia. Ao longo do tempo começa a pensar negativamente sobre si mesma, sobre o mundo e sobre seu futuro.

De fato, a depressão é o resultado, por um lado, da falta de reforço e, por outro, de crenças limitantes. A pessoa deprimida não se adaptou a uma motivação necessária para agir, então ela se tranca em um círculo vicioso que perpetua a inatividade e humor deprimido.

Além disso, ela é composta por uma série de distorções dos aprendizados, ao longo de sua história de vida que, fazem parte do mundo de uma pessoa negativa, até que chega a um ponto no sentido de não fazer a diferença entre seu pensamento e o sentimento que isso gera. Confirmando dessa forma seus pensamentos negativos.

Na verdade, muitas vezes, uma pessoa deprimida pode ou não indicar a causa de sua tristeza, embora tenha sido iniciada na sequência de um fato negativo, acaba restaurando-se como uma forma de resposta habitual para todas as circunstâncias da vida.

A boa notícia é que, com o tratamento adequado para a depressão, entre 80 e 90% das pessoas são capazes de recuperar de forma relativamente rápida o seu padrão normal de vida.

Os sintomas da depressão mais comuns, são:

• Emocional: tristeza, ansiedade, vazio, pessimismo, desesperança, sentimento de culpa, inutilidade e desamparo.

• Irritabilidade comportamental, inquietação e dinâmica, choro fácil, aumento do tempo de resposta a um questionamento, de baixo volume de voz ou mesmo mudo.

• Cognitiva: dificuldade de concentração, problemas de memória, raciocínio lento, dificuldade em tomar decisões, e pensamentos suicidas.

• Físicos: fadiga, falta de energia, insônia ou hiper-sônia, dor de cabeça, alterações do apetite, problemas digestivos, desconforto persistente, perda do desejo sexual.

Quando a depressão é grave, a pessoa pode ter pensamentos recorrentes de suicídio, pode pensar em se suicidar em razão de ver como insuperáveis os seus desafios.

É também comum o surgimento da astenia (fraqueza física, psíquica ou intelectual). Alguns outros também perdem o interesse nas coisas que sempre foram prazerosas (anedonia) e abandona seus passatempos por não mais serem fonte de prazer.

É importante esclarecer que quando os sintomas da depressão são leves, mas se estendem num tempo de pelo menos dois anos, nós não estaríamos falando de depressão, mas sim de transtorno depressivo persistente ou distimia.

Causas da depressão

A resultado é uma combinação de fatores genéticos, bioquímicos e psicológicos.

Consideremos que algumas áreas do cérebro de pessoas deprimidas funcionam de forma diferente, em particular como áreas responsáveis pela regulação do humor e do pensamento. Na verdade, sabe-se que os níveis de certos neurotransmissores, tais como noradrenalina, serotonina e dopamina, são verdadeiramente baixos em pessoas com depressão.

Foi também constatado que a influência familiar tem importante peso no aparecimento da depressão. Na verdade, o transtorno depressivo maior é até 3 vezes mais comum em pessoas que tiveram um pai ou uma mãe que têm sofrido de depressão.

Além disso, as mulheres sofrem de depressão duas vezes mais que os homens. Por esse motivo, nós suspeitamos que, em muitos casos, podemos ter uma base hormonal, como no caso de um trauma pós-parto ou distúrbio pré-menstrual.

No entanto, a exposição às situações estressantes e traumas está entre as causas mais comuns de depressão, quando se constata um evento marcante e traumático sofrido na infância.

A questão de perda, como um óbito de ente querido, também pode ser um fator relevante ao surgimento e sintomas depressivos. No entanto, há casos em que a depressão se constata sem que haja uma crise como gatilho.

A tendência para o perfeccionismo, a extrema sensibilidade, a baixa auto-estima e a dificuldade de lidar com a crise também aumentam a probabilidade de que uma pessoa vá desenvolver uma depressão.

Consequências da depressão

Os maiores riscos da depressão são o suicídio. De fato, 60% dos suicídios cometidos não são associados com a depressão de alto grau. As chances de se refugiarem em vícios, como o álcool e as drogas também são elevadas.

Além disso, também têm como característica:

• Fraco desempenho. Para uma pessoa deprimida a vida se torna difícil em praticamente todos os setores da vida como, sofrendo especialmente na escola em casa e no trabalho.

• Conflitos nos relacionamentos interpessoais. Têm emoções comumente descritas como irritabilidade e impulsividade, tendo constantes atritos de relacionamentos que a levam a isolar-se cada vez mais.

• Dificuldades emocionais. A pessoa deprimida tende a sofrer uma perda progressiva do sentido da vida, auto-estima diminuindo excessivamente a confiança nas suas habilidades.

• Os problemas de saúde. Muitas vezes adotam hábitos de vida nocivos como preguiça até para se levantar, o que se agrava com a falta de exercícios físicos, causando graves problemas à saúde. Na verdade a baixa auto-estima, o desânimo, a tristeza aliados a constantes pensamentos negativistas diminuem a imunidade os tornando mais vulneráveis a diabetes, problemas cardiovasculares e demais doenças oportunistas.

Também torna mais intensa a percepção da dor. Um estudo da Universidade de Amsterdã constatou que a diminuição da resposta imunológica do corpo acaba por danificar células causando o encurtamentos dos telômeros.

Como sair da depressão

O primeiro passo para superar a depressão é saber o que estamos enfrentando na realidade e aceitar como um problema a ser resolvido.

Em segundo lugar, Saber que o problema tem de ser atacado por diversos "fronts" . Tem de haver um enfoque multidisciplinar: Medicina Tradicional, Acupuntura, Terapias, Lazer, Exercícios Físicos, Alimentação, Espiritualidade. Somos um conjunto de tudo isso, se algo não está bom, todo o sistema não está completamente bem.

Sabe-se que apenas 35 minutos de exercício aeróbico, 3 vezes por semana, pode aliviar significativamente os sintomas de depressão.

Em nossa alimentação devem ser incluídos alimentos de forma rotineira ao mesmo tempo em que devem ser excluídos permanentemente outros alimentos.

Somos mente, corpo e alma. Devemos cuidar de todas as instâncias de nossa vida sem negligenciar de alguma delas.

Existem medicamentos anti-depressivos muito eficazes para proporcionar melhor qualidade de vida

Obviamente, também é importante trabalhar em crenças e pensamentos que alimentam a desordem. Não é simplesmente "pensar positivamente", mas neutralizar os pensamentos nocivos que fizeram com que este estado se auto-sustentasse por todo esse tempo.

Com uma terapia adequada, você pode sair da terapia e voltar a ter a vida que sabe ser merecedor. Direcionamos a mudança de formas de pensamentos e crenças disfuncionais, mas sem esquecer os aspectos inconscientes e emocionais. Desta forma, podemos catalisar a terapia e encurtar o tempo para resolver este problema.

Com o nosso tratamento você vai conseguir:

• Descobrir a causa e a origem da sua depressão.

• Ativar seus recursos e mecanismos inconscientes de auto-cura.

• Recuperar uma confiança perdida e aumentar a sua auto-estima.

• Resolver as alterações emocionais inconscientes sobre as experiências negativas ou traumáticas que foram gravadas no seu cérebro e não na deixam viver em paz.

• Aprender a avaliar a sua vida com uma perspectiva mais lógica e realista. Sabendo ver a beleza do mundo e aproveitá-lo melhor a cada dia.

• Reconciliar com seus queridos, aceitando-os e se fazendo ser aceito.

• Superar a depressão e voltar a desfrutar a vida.

• Ser melhor em todos os momentos e em todos os aspectos de sua vida.


Técnicas Utilizadas
Terapias
Siga nas Redes Sociais
  • Twitter Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon
HypnoBlog
Arquivo HypnoBlog