Problemas sexuais

Os problemas sexuais são dificuldades, quer orgânicas ou psicológicas, que limitam a pessoa impedindo-a de desfrutar plenamente sua sexualidade.

É normal que um parceiro perceba períodos em que a atração pelo parceiro aumenta e, por vezes, diminui. Na maioria dos casos essas alterações são decorrentes da turbulência da vida cotidiana, que se concentra em nossa atenção no trabalho, problemas financeiros ou dificuldades familiares.

No entanto, distúrbios sexuais não são apenas mudanças normais na libido, mas muito mais.

Afetam profundamente a relação, gerando insegurança, ansiedade e insatisfação ao casal. Felizmente, a maioria dos problemas sexuais têm causas psicológicas e podem ser resolvidos com recursos internos.

Diferentes tipos de distúrbios sexuais

Os dois tipos principais de distúrbios sexuais são:

• Disfunção sexual: é uma inibição do desejo, exacerbação ou alterações anormais no ciclo de resposta sexual. Entre os problemas mais comuns que são agrupados dentro desta categoria são: desejo sexual hipoativo, disfunções erécteis, anorgasmia e vício em sexo.

• Parafilias: é uma excitação sexual a objetos ou situações que não são considerados culturalmente como erógenas e que afeta a capacidade da pessoa para estabelecer um relacionamento satisfatório, tanto do ponto de vista emocional quanto sexual. Entre as parafilias mais comuns são: o fetichismo, exibicionismo e sadomasoquismo. A maioria dos indivíduos ou casais que têm um problema sexual sofrem em silêncio, mas na realidade não há nada para se envergonhar, pois se para a pessoa ou o casal esta situação não cause transtornos e sim prazer sem prejuízos à saúde moral ou física, nem consequências ecológicas negativas, isto deixa de ser um problema.

Porquê problemas sexuais aparecem?

50% das mulheres e 20% dos homens admitem que sentem insatisfação com sua vida sexual, e surpreendentemente apenas aproximadamente 30% dos casais procuram formas de reverter

esta situação.

Os problemas sexuais podem começar muito cedo, mesmo antes da primeira relação sexual, ou podem aparecer mais tarde, independentemente da pessoa ter mantido uma vida sexual satisfatória.

Às vezes o problema se desenvolve gradualmente, ao longo do tempo, mas às vezes pode aparecer de repente e ser rapidamente instituído. Da mesma forma, há casos em que ocorre uma total incapacidade de desfrutar do sexo, enquanto em outros há a incapacidade parcial, que afeta apenas um dos estágios de relações sexuais evidenciados.

Problemas sexuais: causas orgânicas

Em alguns casos, os problemas sexuais têm uma causa fisiológica, sendo as mais comuns:

• As doenças tais como a neuropatia diabética, esclerose múltipla e tumores

• Deficiências hormonais tais como a falta de estrogênio ou androgênio

• Doenças endócrinas, tais como problemas de tireóide, hipófise ou glândula adrenal

• Danos nos nervos que afetam a coluna e movimento, especialmente dos membros inferiores

• Problemas circulatórios relacionados ao baixo fornecimento de sangue

• Mudanças biológicas que ocorrem em fases específicas da vida, como o pós-parto, menopausa ou andropausa

• O consumo de substâncias como álcool e nicotina ou o uso de certos medicamentos, como antidepressivos, anti-histamínicos e narcóticos

Geralmente, as causas mais comuns de problemas sexuais são psicológicos. Algumas das mais comuns são:

• O medo do contacto sexual ou de fazer-se de tolo perante o parceiro, geralmente leva à inibição da resposta sexual e, em casos extremos, pode impedir completamente a consumação da relação sexual

• O sentimento de vergonha ante o parceiro é uma situação quase sempre causada por problemas da falta de confiança e comunicação não eficaz

• O medo de não satisfazer as expectativas do casal, cria o que é conhecido como "ansiedade de desempenho"

• Experiências sexuais negativas, como estupro ou de uma série de falhas repetidas, podem gerar um trauma

• A culpa: quase sempre associada a uma educação muito puritana em que a sexualidade foi entendida como algo negativo e sujo

• Os problemas no relacionamento, especialmente relacionados às dificuldades dos seus membros para expressar seus desejos e necessidades

• Têm expectativas irracionais sobre o encontro sexual de modo que quando estas não forem atendidas, minam a confiança da pessoa em suas habilidades sexuais

• Crenças negativas sobre sexo, quase sempre baseado em uma informação limitada e parcial

sobre a sexualidade

• Muito estresse, ansiedade ou preocupações acumuladas ao longo do tempo, que podem ser causados por problemas não relacionados à sexualidade, mas que refletem nela

• Problemas de autoimagem e autoestima que causam medo da rejeição e geram a sensação de ter um corpo "inadequado" decorrem em incapacidade de desfrute pleno do ato sexual

• Auto-controle excessivo e uma tendência para o perfeccionismo, o que leva a pessoa a não conseguir relaxar durante a relação sexual e não poder desfrutar satisfatoriamente

No entanto, deve-se esclarecer que os problemas sexuais raramente são causados ​​por uma única causa, mas com base em diferentes fatores. Na verdade, a prática clínica mostra que, mesmo depois de uma causa fisiológica, podem haver motivos psicológicos que adicionados ao problema físico o tornam ainda pior. Os mais comuns são ansiedade, medo do fracasso e crenças negativas sobre sexo.

Os problemas sexuais mais frequentes são:

• Ejaculação precoce: aproximadamente 39% dos homens sofrem ou sofreram de ejaculação precoce prejudicando a resposta orgásmica e ejaculatória, que é acionada ao menor estimulação sexual. O homem é animado muito rapidamente e, como não consegue controlar sua resposta ejaculatória e identificar o ponto de não retorno, ejacula antes de desejo. Como resultado, ambos os parceiros geralmente experimentam um monte de frustração.

É muito comum em pessoas jovens, especialmente quando começam os seus hábitos sexuais, embora possa ocorrer em qualquer momento da vida.

• Ejaculação retardada: Aproximadamente 18% dos homens sofrem de ejaculação que se refere à ejaculação com atraso excessivo e durante a relação sexual. Neste caso, o homem leva tanto tempo para chegar ao clímax, o que torna difícil e frustrante para ambos os parceiros, porque eles não podem atingir o orgasmo quando eles querem, mas só depois de uma longa sessão de estimulação sexual, o que muitas vezes, é cansativo.

• Disfunção erétil ou impotência: Afeta quase 18% dos homens e é uma incapacidade persistente de manter a ereção suficiente para completar a relação. Isto significa que os problemas de ereção podem ocorrer a qualquer momento, quer antes da penetração, no momento deste ou durante os movimentos do coito. Em alguns casos, o homem consegue ereção através da masturbação ou até mesmo simplesmente por uma visualização erótica.

Como base desta desordem estão muitas vezes a ansiedade severa, medo do fracasso e a crença de que a masculinidade está severamente ligada ao poder de uma ereção.

• Anorgasmia: Refere-se à incapacidade de atingir o orgasmo, seja homem ou mulher, tendo tido uma fase normal de excitação. Disfunção orgásmica feminina afeta quase 42% das mulheres e quase sempre primário; ou seja, são as mulheres que nunca tiveram alcançado um orgasmo através de relação sexual sexual. No entanto, há também a disfunção orgásmica masculina, um problema que afecta a 9% dos homens. O mais habitual é que o homem não pode ejacular durante o contato genital, mas pode fazê-lo por estimulação manual ou oral. Em outros casos, o homem não ejacula, mas tem a experiência do orgasmo, ou seja, o prazer ligado a esse ato.

• Dispareunia: A principal característica desse problema é que as mulheres sentem dor durante a relação sexual. Estima-se que aproximadamente 39% das mulheres apresentam dispareunia, uma dificuldade que não é devido a uma causa física porque os testes não denunciam qualquer anormalidade mas tem uma origem psicológica, frequentemente associada a trauma ou devido à crenças erradas sobre a sexualidade. A falta de confiança entre os parceiros e a incapacidade de se dar completamente também são gatilhos para este problema.

• Vaginismo: Esta é uma contracção involuntária dos músculos do primeiro terço da vagina quando ocorre a penetração, um problema que afecta 5% de mulheres e não está exclusivamente ligada a penetração genital; ocorre em outros casos, por exemplo: tampões ou espéculo. Na verdade, nos casos mais graves a simples idéia de penetração pode produzir espasmo vaginal. Em alguns casos, a contração é leve e produz apenas um leve desconforto, mas às vezes é tão intensa que impede a penetração. No entanto, algumas mulheres podem desfrutar preliminares e orgasmo através delas.

• Falta de desejo sexual ou Desejo Sexual Hipoativo: É um problema que afeta muitos casais e refere-se à diminuição ou ausência de fantasias e desejo de uma relação sexual, o que causa acentuado sofrimento no relacionamento. As estatísticas indicam que 25% dos homens e 37% das mulheres sofrem deste distúrbio em algum momento durante a sua vida sexual ativa e, se não encontrar uma solução rapidamente, pode se tornar um problema crônico. Como base desta desordem são encontrados geralmente problemas do cotidiano que adicionam um monte de estresse e ansiedade, transtorno de humor, depressão, problemas de comunicação entre parceiros ou tédio em sexo por causa da monotonia.

• Aversão ao sexo: pessoas com este transtorno ressentem qualquer tipo de contato sexual com seu parceiro, especialmente o contato genital. Em muitos casos, a origem desta disfunção é devido a experiências traumáticas, como o abuso, estupro ou fracassos do passado, que levam a pessoa a experimentar uma profunda desconfiança e medo de manter um contato íntimo.

Sofrendo de ansiedade e medo intenso ao se aproximar do momento da relação sexual, podendo até mesmo experimentar ataques de pânico. Nos casos mais extremos, a pessoa mostra grande repulsa para todos os estímulos, a seus olhos, pode ter uma conotação sexual, a partir de um simples beijo ou toque.

• Vício em sexo e ninfomania: Estima-se que cerca de 6% das pessoas experimentam impulso sexual excessivo, o que poderia levar a ninfomania, no caso das mulheres, e satiriasis, no caso dos homens. Essas pessoas vivem obcecadas com o sexo. Estes tipos de pensamentos ocupam muito do seu dia e, muitas vezes interferem com o trabalho, escola ou relacionamentos. Torna-se um vício podendo levar a um comportamento sexual arriscado, gerando depois um profundo sentimento de culpa.

Aos poucos, a pessoa vai se incursionando em um círculo vicioso de busca por sexo, consumo ou prática da masturbação, pornografia, até que estes comportamentos interfiram profundamente em sua vida diária tornando-o passivo de sua obsessão.

• Parafilias: Estima-se que 1% da população sofre de algum tipo de parafilia, embora na realidade este problema pode ser ainda maior já que muitas pessoas nunca procuram ajuda psicológica. Quem sofre deste distúrbio geralmente não encontra prazer no ato sexual, mas precisa confiar em objetos ou atividades que para a maioria dos erógena não têm poder para excitação. Como resultado, essas pessoas acham que é difícil manter um relacionamento sócio satisfatório, tanto do ponto emocional quanto sexual.

Quando problemas sexuais transcendem sexo

Os problemas sexuais afetam a capacidade da pessoa para desfrutar de uma relação sexual plena e satisfatória, mas as conseqüências não param por aí. Distúrbios na área da sexualidade também podem afetar o relacionamento e danificar a auto-estima da pessoa.

- Danos decorrentes de problemas sexuais implicam frequentemente em dificuldades de relacionamento no casal, quase sempre devido à falta de comunicação. A pessoa que sofre do transtorno fica envergonhada, insegura e não quer compartilhar esses sentimentos com seu parceiro, o que normalmente gera um distanciamento emocional, por isso não é de se estranhar que os problemas sexuais muitas vezes levam à separação.

Neste sentido, tem-se verificado que o grau de compromisso e confiança que foram criados sobre o relacionamento são fundamentais para resolver com êxito esta dificuldade. De fato, estima-se que os casais que têm problemas sexuais durante os três primeiros anos de seu relacionamento tendem a separar-se, mas quando estes distúrbios aparecem mais tarde, a procura de tratamento pelo casal é sigficativamente aumentado, na mesma proporção em que é aumentada a chance de superação do problema.

Além disso, quando uma pessoa sente que não tem controle e não pode sentir prazer na relação sexual ou em fornecer ao seu parceiro, muitas vezes se sente envergonhado e frustrado. À medida que cada nova tentativa é agravada pelo fracasso, surgem a tensão e o estresse aumentando mais ainda o problema, formando-se um círculo vicioso muito difícil de ser superado sem ajuda externa. Na verdade, quando uma pessoa acredita que não pode superar o problema, começa a adotar uma atitude derrotista e a depressão se evidencia.

• Hipnose: Através da hipnose se induzi a um estado de relaxamento através da qual se trabalha com as causas inconscientes dos problemas sexuais, as mensagens enviadas para reforçar a confiança inconsciente e associam a resposta sexual com uma sensação de tranquilidade, confiança e segurança em sua performance sexual.

• São habituais uma ou duas sessões abrangendo diagnóstico e sugestões especificas.

O que você vai conseguir através de terapia sexual?

• Melhorar o seu desempenho sexual

• Desfrute de um sexual mais satisfatória

• Compreender as diferentes fases pelas quais passa a actividade sexual

• Aceitar totalmente seu corpo e aprender a apreciar este

• Desenvolver expectativas mais realistas sobre o encontro sexual

• Seja mais sensível às suas próprias necessidades e as do seu parceiro

• Aprenda a dar e receber prazer erótico de uma atitude mais aberta, não está restrito à penetração

• Melhorar a comunicação entre parceiros

• Solte seus preconceitos e medos sobre sexualidade

• Coloque a sua solução de problemas sexual


Técnicas Utilizadas
Terapias
Siga nas Redes Sociais
  • Twitter Social Icon
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon
HypnoBlog
Arquivo HypnoBlog